July 17, 2017

#BEYOURSELF

A Associação Nacional dos Amputados – ANAMP – uma nova associação de apoio aos amputados portugueses, foi criada em novembro de 2014, no Porto, com o “objetivo simples” de “tirar as pessoas amputadas de casa e mudar mentalidades, criando um coletivo de aceitação”.





Saiba mais AQUI



Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

July 10, 2017

Menos dois PONTOS


O estacionamento em lugares reservados a pessoas com deficiência passou a ser considerado uma contraordenação grave, o que equivale, em caso de infração, à uma dedução de dois pontos na carta de condução.

Publicada em Diário da República no dia 7 de julho de 2017, a nova lei entrou em vigor no último sábado, dia 8 de julho de 2017.

Para além da dedução de dois pontos na Carta por Pontos, os infratores ficam sujeitos a sanções acessórias, como o pagamento de uma coima e à inibição de conduzir no mínimo de um mês a um ano. Como no caso de qualquer outra contraordenação grave, o incidente fica registado por cinco anos no seu cadastro rodoviário.


Consulte a Lei n.º 47/2017


Os condutores que não forem portadores do Cartão / Dístico de Estacionamento não podem estacionar nestes lugares reservados. Quem estacionar indevidamente num lugar reservado irá ser sancionado.  Para além das sanções já referidas, segundo o artigo 9.º do Decreto de Lei 307/2003, referente à utilização do cartão, este só pode ser utilizado em veículo que transporte efetivamente uma pessoa com deficiência, ou seja, a utilização indevida ou fraudulenta do cartão implica a sua imediata apreensão e suspensão por período de um ano, podendo o mesmo ser apreendido definitivamente no caso de reincidência. São competentes para apreensão do cartão as autoridades de investigação criminal ou de fiscalização do trânsito ou seus agentes.



Relacionados:




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

July 7, 2017

maat ‘Exclusivo’


Entre muitos outros compromissos, a Fundação EDP, e cito, “…tem como objetivo atenuar situações sociais reconhecidamente relevantes, em particular intervenções que promovem a inclusão social…”

Muitos de nós têm tentado perceber porque é que os acessos ao maatMuseu de Arte, Arquitetura e Tecnologiadificultam, e em muitos casos excluem mesmo, as pessoas com mobilidade reduzida!

Já com o recente inaugurado Museu dos Coches acontece o mesmo. Será que os ‘nossos’ arquitetos continuam a ignorar as dificuldades de locomoção de quase um milhão de portugueses? Parece que o discurso arquitetónico não consegue alinhar-se com as necessidades sociais e éticas da cidade contemporânea. Com a relação tensa entre a teoria e a prática, a irrelevância social no design é onipresente. O problema é que a sociedade está a envelhecer e as soluções arquitetónicas deviam ser cada vez mais inclusivas e universais. É uma vergonha o que se passa com o edificado recente, particularmente em Lisboa, que tem um Plano de Acessibilidade Pedonal aprovado e que devia ser respeitado. Mais uma vez NÃO HÁ fiscalização. Para uma EDP que se diz Solidária, nem devia ser preciso ser fiscalizada para garantir soluções sociais inclusivas.


“De erro em erro, vamos desperdiçando oportunidades de abrir a cidade a todos (…) no pavimento do espaço envolvente do maat, optaram pelos pedregulhos em detrimento de cerca de 1 milhão de pessoas. Sim, as pessoas com deficiência, mais uma vez, ficaram de fora (…) na lateral do passeio, existe uma pequena faixa de pavimento com perfil plano, e é ver os turistas com malas trolley a disputar com quem se desloca em cadeira de rodas, aqueles 30cm de paraíso calcante”, refere Carlos Nogueira, um cidadão com mobilidade reduzida, que muito tem feito para denunciar este tipo de situações incompreensíveis.

É estranho perceber que quando se tem que decidir entre a pedra e as pessoas, se escolha a pedra!?





 “A arquitetura só pode ser capacitante se os arquitetos desenvolverem empatia”, afirmou Raymond Lifchez



Relacionados:




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

July 2, 2017

My Way

Os passageiros com MOBILIDADE REDUZIDA têm ao seu dispor o serviço de assistência MyWay. Este inclui meios mecânicos facilitadores da mobilidade, bem como profissionais capacitados, que asseguram total assistência e conforto na sua passagem pelo aeroporto.

Com vista a complementar os serviços já existentes nos aeroportos ANA para passageiros com mobilidade reduzida, a ANA Aeroportos de Portugal oferece este serviço de acompanhamento e assistência.

Os passageiros que necessitem deste serviço, serão acompanhados até ao avião desde a sua chegada ao aeroporto, passando pelo check-in, controlos de segurança, fronteira e embarque. Este serviço deverá ser requisitado no momento da reserva ou até 48h antes da partida do voo na TAP ou na sua agência de viagens.

My way é um serviço que está disponível nos seguintes aeroportos: Lisboa, Porto, Faro, João Paulo II, Santa Maria, Horta, Flores, Madeira e Porto Santo.




Saiba AQUI tudo sobre a sua melhor ajuda no Aeroporto




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com